Havia uma urgência dentro de mim, uma urgência em encontrar alguém especial, de amar e ser amada… Alguém para me apaixonar profundamente… Então eu conheci você! Audacioso, corajoso, destemido e livre…

Me esqueci como era ser desejada por alguém, mas deixei você seguir seu curso… Significar alguma coisa e ser aquele que vinha quando se sentia sozinho. Pela primeira vez então, depois de muito tempo achei que finalmente pertencia a algum lugar, que alguém caminhava comigo e que eu não estava mais sozinha.

Eu tentei de todas as formas não me apaixonar por você, mas você era engraçado, gentil, sempre feliz. Tinha um sorriso que me desarmava. Não havia uma única coisa que você não me pedisse a qual eu não faria se você só sorrisse para mim…

E tinha sua paixão… A paixão de como você falava do seu trabalho, sobre como era voar e atuar no teatro… A paixão e empolgação com tudo! Era comunicativo e extrovertido. Tudo que eu não sou… Deus! Como amava todas essas coisas em você! Eu ficava horas lá… debruçada na mesa da sua cozinha, vidrada, olhando, sorrindo… só te ouvindo falar. Quanta admiração eu tinha! E o tempo passava… Passava tão rápido quando eu estava com você. A saudade que eu sentia longe de ti…

Eu estava tão apaixonada que pensava: WOW! Que sorte tenho por ter conhecido alguém assim. E tinha essa conexão… Uma conexão que eu sentia cada vez que passava os dias junto de você. Parecia que eu te conhecia a vida toda.

Sempre odiei fazer aniversário. Nesse dia você me surpreendeu de tantas maneiras. Conseguiu tornar meu dia melhor. Inesquecível. Mesmo com medo eu me entreguei inteiramente a você. Eu transbordava de felicidade e ao mesmo tempo me sentia apavorada. Sabia que algo ruim aconteceria, que ia ser pesado… Disse isso a você. Sempre fui honesta e dizia a verdade mesmo quando você gostaria que eu não dissesse. Você me abraçou como se tudo fosse imaginação minha. Me senti segura.

Essas coisas todas passam agora pela minha cabeça como um filme. Fico pensando se não criei isso tudo. Até onde isso era fantasia? Até onde isso era real? Era tudo mentira? Eu me afastava na rua quando a gente andava junto. Eu não queria me ligar sentimentalmente assim a você. No sofá você me puxava para perto, me pedia para deitar e colocar a cabeça no seu peito enquanto fazia carinho em mim. Na cama me arrastava para junto de você, me queria ali de conchinha.

Quando deitava ao seu lado eu podia ficar parada, fechar meus olhos… Te sentir para sempre comigo. Não havia nada melhor do que nós dois juntos. Quantas e quantas vezes olhei na sua alma. Pedi para você não brincar assim comigo. Mas, você ignorou todos os meus pedidos, meus sentimentos… e… partiu meu coração! Algo morreu. Eu sabia que era a última vez. Esse era um lado seu que eu não conhecia. Todas as coisas que você dizia não eram verdade e os seus joguinhos você sempre ganhava…

Você foi tudo que eu achava que nunca seria e nada como eu pensei que você poderia ter sido. Apesar de ter vezes que eu te odeio porque não consigo esquecer, agora mais do que nunca você vive em mim. Como pode?!?

Me dói não entender e dizer que eu só procurava por amor e você um jogo… Eu não quero mais ser uma garota com o coração partido.